Arquivos do Blog

Resumos de capítulo – Lingüística Histórica

LIvro de Carlos Alberto Faraco

LIvro de Carlos Alberto Faraco

Trabalho para a disciplina Lingüística IV

2)      Indique os principais pontos do capítulo 4 de Faraco (2005: 91-127), em redação não esquemática.

No capítulo chamado “A lingüística histórica é uma disciplina científica”, fala-se das ocupações do pesquisador de lingüística histórica: transformação das línguas em determinados tempos, e as teorias, métodos e ferramentas utilizadas nas análises.

Faraco inicia destacando a importância da observação mediada por determinados pressupostos teóricos, mesmo que caracterizada pela diversidade e embates entre pontos de vista diversos.

O autor descreve que antes de Saussure, estudos “nos século XVII e XVIII abordavam a língua como uma realidade estável, atemporal e organizada segundo princípios da lógica” p.95 – universais e não históricos; já no século XIX a língua era vista como necessariamente histórica. O autor genebrino estabelece duas dimensões: uma histórica (diacrônica) e outra estática (sincrônica). Faraco afirma ainda que Saussure defendia a autonomia entre ambos, não negando a interdependência – apesar de ter sido estabelecida uma rigorosa distinção metodológica..

Faraco apresenta uma análise clássica do lingüista Mattoso sobre a divisão morfológica sincrônica do verbo “comer”, ou “estrela”: seria absurdo propor uma divisão em mantendo a estrutura morfológica do verbo em latim para análise sincrônica, do estágio atual da língua, por exemplo.

O autor fala da precedência da sincronia, e critica alguns lingüistas por ignorarem a questão histórica, o que revela uma “espécie de retorno às concepções universalizantes e logicizantes dos séculos XVII e XVIII” (p. 100). Apresenta crítico Coseriu que propõe que se veja a língua em moviemento (Saussure tem uma visão estática) e os lingüistas Weinenrich, Labov e Herzog que defendem a construção de um modelo de língua capaz de acomodar sistematicamente a heterogeneidade sincrônica.

Faraco distingue duas concepções de linguagem: a que considera a língua um objeto autônomo; outra como um objeto intrinsecamente ligado à realidade histórica, cultural e social da comunidade falante. Também cita os métodos diferenciados e as visões que direcionarão uma orientação teórica da mudança lingüística. Fala ao pesquisador iniciante da importância de selecionar a sua orientação teórica, e para quem quer optar pelo ecletismo que para Faraco é um “amontoado acrítico, e por isso ingênuo de teorias”.

A seguir, são apresentadas a Teoria Variacionista e a Teoria Gerativista. Ele apresenta as características de cada uma delas e também relata uma tentativa de aproximação entre ambas, a chamada ‘Sociolinguística Paramétrica’, sendo que um dos primeiros a implementá-la foi Fernando Tarallo.

Discute e explica conceitos explicação, e seu significado peculiar nesta área: “interpretar as mudanças e explicitar arrolar fatores contigenciais”p. 117

Faraco ainda apresenta as três diferentes vias para o estudo histórico das línguas: “voltar ao passado e nele se concentrar, voltar ao passado para iluminar o presente, estudar o presente para iluminar o passado” (p. 118).

Respectivamente os neogramáticos para o primeiro, e a análise variacionista para o último, e apresenta exemplos do método comparativo: português trecentista, o trabalho de classificação das línguas indígenas e estudo dos seus dialetos, além de outras contribuições filológicas.

Na terceira via “estudar o presente para iluminar o passado” está o princípio da uniformidade, isto é, “as comunidades humanas, embora diferentes em cada situação conjuntural, partilham no presente e passado de certas propriedades recorrentes” p. 123. O autor ressalva ainda que as três vias não se anulam. Sobre a qualidade de alguns dados cita-se Labov: “A lingüística histórica pode, então, ser pensada como a arte de fazer o melhor uso de dados ruins”.

Ao finalizar o capítulo, fala sobre o método comparativo e resultados positivos confirmados empiricamente por registros dialetológicos posteriores “pressupõe uma certa quantidade de dados, e principalmente, a localização de relações sistemáticas entre eles” p. 126. E a seguir um quadro comparativo que mostra a diferenciação no consonantismo das línguas germânicas: inglês, latim, alemão.

3)      Faça um breve resumo do capítulo 5 de Faraco (2005: 128-174).

Na introdução do capítulo chamado “História da nossa disciplina”, Carlos Alberto Faraco afirma que delineará um panorama que não será apenas um relato da história, mas a interpretação mediada dos acontecimentos da disciplina lingüística histórica: momentos, autores e obras importantes. Costuma-se dividir a lingüística histórica em dois grandes períodos: o primeiro, de 1786 a 1878 (período da formação e consolidação do método comparativo), e o segundo, que vem de 1878 (ano da publicação do manifesto dos neogramáticos) até os dias atuais do século XXI.

E no segundo período sinaliza que haverá contínua tensão: idas, vindas, retomadas, (re)negociações e (re)avaliações entre duas linhas predominantes: “uma mais imanentista, que – continuadora, de certa forma, do pensamento neogramático e caudatária do estruturalismo e, depois, do gerativismo – vê a mudança como um fato primordialmente interno, isto é, como um acontecimento que se dá no interior da língua e condicionado por fatores da própria língua. A outra, mais integrativa, que – enraizada nos primeiros críticos dos neogramáticos e fundada nos estudos de dialetologia e, depois, de sociolingüística – entende que a mudança deve ser vista como articulada com o contexto social em que se inserem os falantes, isto é, como um evento condicionado por uma conjunção de fatores internos (estruturais) e externos (sociais)”.  p. 129

O autor também alerta para o fato da lingüística ter nascido nas preocupações e percepções filológicas de várias sociedades e enumera alguns antecedentes: hindus já no século IV a.C.; gregos, alexandrinos, romanos, árabes; pela gramática de Port-Royal, no século XVII, dentre outros.

Nos primeiros momentos descreve o interesse dos intelectuais europeus no estudo de línguas de civilizações antigas; as primeiras observações das semelhanças e comparações entre sânscrito, latim e grego; fundação da Escola de Estudos Orientais em Paris (onde estudaram os intelectuais Friedrich Schlegel e Franz Bopp, que desenvolveriam a gramática comparativa). Nesta primeira fase observa-se que grande parte dos pesquisadores apresentados pelo autor eram alemães.

Schlegel e Bopp reforçam a tese do pioneiro W. Jones, e ampliam pesquisas sobre o parentesco do sânscrito com o latim, grego, germânico, lituano, eslavo, armênio, celta, albanês, gótico, alemão e o persa no léxico e estruturas gramaticais, morfologia, correspondências sistemáticas. O autor cita ainda os estudos comparativos do lingüista Rasmus Rask que paralelamente e independentemente desenvolveu trabalhos comparativos relevantes com línguas nórdicas e metodologicamente exemplares, mas por ter sido publicado em dinamarquês teve pouca repercussão nos meios científicos.

A seguir cita Jacob Grimm – costuma-se dizer que o estudo propriamente histórico foi estabelecido pela publicação do livro Deutsche Grammatik – que identificou a existência de correspondências fonéticas sistemáticas entre o indo-europeu e línguas do ramo germânico com no passar do tempo. “Aliou-se, desse modo, o empreendimento comparativo ao histórico, donde vem a denominação que se costuma dar à lingüística do século XIX: gramática ou lingüística histórico-comparativa.” p.135

As chamadas “Leis de Grimm” apresentavam porém, várias exceções que incomodaram os germanistas por algum tempo ainda. Faraco comenta o trabalho do iniciador Fridrich Diez  na Filologia Românica, e sua importância no refinamento metodológico dos estudos históricos; e apresenta Schleicher que além de sugerir uma tipologia (Stammbautheorie) das línguas a partir da sua formação (botânico) e cunhar o termo Ursprasche (“língua remota”), hoje denominado proto-indo-europeu, foi o primeiro a realizar estudo de uma língua indo-européia a partir da fala.

A partir da publicação do manifesto neogramático – lingüistas relacionados com a Universidade de Leipzig – o escritor Faraco os compara a um divisor de águas na lingüística histórica ao criticar os antecessores e estabelecer orientação metodológica diferente e mais rigorosa; e um conjunto de postulados teóricos para interpretação das mudanças lingüísticas.

Os neogramáticos eram defensores de que as mudanças sonoras se davam num processo de regularidade absoluta e não admitiam exceções, o que o dinamarquês Karl Verner embasou quando demonstrou que nas exceções do enunciado de Grimm havia mudanças regulares, e que ocorriam de acordo com o contexto lingüístico. Apesar desta guinada metodológica rigorosa, os neogramáticos se utilizavam de analogia, que, para eles, estava no plano gramatical, e não fonético.

Um grande neogramático foi Hermann Paul, que foi referência na formação de muitos diacronistas vindouros, e apresentou uma tese bastante aceita até os dias de hoje: que a mudança lingüística é originada principalmente no processo de aquisição da língua. Faraco também apresenta o trabalho etimológico de Lübke e um dos mais importantes críticos ao movimento neogramatico: Hugo Schuchardt – um dos primeiros estudiosos a dar atenção sistemática aos pidgins e criolos -, que chamou atenção para a gama de variedades de fala existente em uma comunidade qualquer, e abriu caminho para o estudo da influência dos fatores como sexo, idade, do falante – dialetologia, e mais recentemente a sociolingüística.

Faraco apresenta do início do estruturalismo – marco da lingüística moderna – com Saussure. Seu aluno francês Antoine Meillet, que por sua vez desenvolve uma concepção mais sociológica do falante e da língua, afirma também que a lingüística faria parte da Antropologia. Estudos e análises na área que levam em conta a história das línguas e da maneira que os falantes a utilizam no contexto social de dialetologia, sociolingüística como fator de diferenciação: Labov.

O professor Faraco apresenta o Círculo de Praga, e outros teóricos estruturalistas, o impacto dessa visão teórica no estudo da mudança e análise do sistema lingüístico e continua criticando o que chama de abordagem “reducionista” pelos estruturalistas.

“O pensamento gerativista em diacronia se identifica, portanto, plenamente com a tradição forte em lingüística de considerar as mudanças como direcionadas por forças internas à língua. Retoma-se, assim, a perspectiva estruturalista: Jakobson afirmava que as leis estruturais do sistema restringem o inventário das transições possíveis dum estado sincrônico a outro (cf. Jakobson 1957, reproduzido em Jakobson, 1963, p. 77); Martinet falava nas mudanças como submetidas aos princípios da economia da língua (1955); os gerativistas falam nas mudanças como submetidas aos princípios restritivos da gramática universal. A diferença é a hipótese inatista (o biologismo) destes que não estava naqueles.” p 169.

O autor a seguir fala do “estruturalismo de roupa nova”, isto é, o gerativismo. O gerativismo inatista, e procurava um modelo a partir de um sistema de regras proposto; que se reformulou na década de 1970: “introduziu a idéia de que a gramática universal é um conjunto de parâmetros variáveis, isto é, ela restringe as gramáticas possíveis, mas admite caminhos alternativos.”p.167

Finalmente, o autor Faraco apresenta repercussões nos estudos diacrônicos da perspectiva gerativista, e mostra a partir de Schlegel no século XIX, Schleicher, Sapir estudos de diacronia dos estudos tipológicos, que chega ao pensamento de Greenberg, justificando esta aproximação pois estas  perspectivas “pautam sua interpretação da mudança por critérios fundamentalmente imanentes” p. 175, excluindo da história das línguas e os falantes e seu contexto histórico-social.

Anúncios

Conversa no ônibus – questão sobre a publicidade e semântica

Me ligaram de outro estado para tirar dúvida sobre esta questão. Achei muito curiosa e resolvi publicar, pois dá margem a questionamentos além de ter sido do vestibular da FUVEST-2004 .  Veja que os gabaritos apresentados são diferentes. Com qual deles você concorda ou discorda?

imagem da internet
Sentaram-se lado a lado um jovem publicitário e um velhinho muito religioso. O rapaz falava animadamente sobre sua profissão, mas notou que o assunto não despertava o mesmo entusiasmo no parceiro. Justificou-se, quase desafiando, com o velho chavão:
– A propaganda é a alma do negócio.
– Sem dúvida, respondeu o velhinho. Mas sou daqueles que acham que o sujeito dessa frase devia ser O NEGÓCIO.

a) A palavra ALMA tem o mesmo sentido para ambas as personagens? Justifique.
b) Seguindo a indicação do velhinho, redija a frase na versão que a ele pareceu mais coerente

A minha solução foi a mesma deste gabarito que publico e que concordo – existem duas respostas ao problema… Então na minha opinião, a melhor resposta é esta: http://www.elitecampinas.com.br/gabaritos/fuvest/fuvest_04_fase2_por_ELITE.pdf

a) Para o jovem publicitário, alma tem o sentido de essência, núcleo, a parte mais importante. Já para o velhinho, duas interpretações são possíveis: espírito, princípio da vida ou a essência, o núcleo, a parte mais importante. Embora o velhinho seja  muito religioso, a interpretação de alma como espírito não exclui totalmente seu sentido de essência, portanto, as duas respostas (sim ou não) são possíveis, contanto que se justifique coerentemente.

b) Quem respondeu ao item a)

sim deveria concluir que a frase correta seria “O negócio é a alma da propaganda.”;

para quem respondeu não, a frase seria “O negócio é a propaganda da alma.”

Algumas outras soluções da questão podem ser encontradas aqui:

http://www.cpv.com.br/vestibulares/FUVEST/2004/resolucoes/resolucao_fuvest_2004_f2_portugues.pdf

http://www.curso-objetivo.br/vestibular/resolucao_comentada/FUVEST/2004_2fase/1dia/fuvest2004_2fase_1dia.pdf

http://portugauss.blogspot.com.br/2011/06/aula-coerencia-textual.html

http://www.universitariobrasil.com.br/Arquivos/ResolucaoExames/130-FUV2FPOR2004.pdf

http://www.etapa.com.br/gabaritos/resolucao_pdf/gab_2004/01_fuvest/fase2/fuvest04p.pdf

Tradução de texto sobre a questão funcionalista vs formalista

O subtítulo deveria ser: estou fazendo uma discplina como ouvinte e o meu inglês tem o nível “The Book is on the Table”. Nela serão abordados os tópicos: Documentação e análise de corpora de línguas naturais. Prática de análise fonológica, morfológica, sintática, semântica e pragmática. Análise de daos de línguas indígenas brasileiras.  Análise de dados sociolinguísticos. A Linguística Experimental: análise de dados psicolinguísticos.

Tarefa – Apresentação em grupo na pós-graduação da UFRJ: LANGUAGE FORM AND LANGUAGE FUNCTIONThe Form-Function Problem in Linguisticshttp://www.isc.cnrs.fr/FN_chapter1.pdf

Esta tradução  livre é composta de itens do primeiro capítulo feita por participante do grupo 2 – The goals of this book e 6 – A look ahead

2- Os objetivos deste livro

O mini-debate entre Sandy e Chris, multiplicado pelas várias centenas de páginas constitui/ constrói o tema deste livro. Por um dispositivo onomástico não muito sutil identifiquei Sandy como o arquétipo ‘formal’ de lingüista e Chris como o arquetípico lingüista “funcional”. Tentei colocar em suas bocas da maneira mais sucinta possível, todas as grandes questões que planejo detalhar. Cada declaração que Sandy e Chris fazem encapsula uma característica visão de grande parte/ mainstream dos praticantes da lingüística formal e da lingüística funcional, respectivamente. Se houver algo de irreal sobre a troca de idéias, seria o fato de que poderia ter ocorrido em qualquer local! Poucos funcionalistas e um número menor de formalistas estão conscientes o suficiente das posições assumidas pelo outro lado (caricaturas das posições à parte) para tornar possível a polêmica que acabamos de expor.

Argumentarei que até certo ponto, surpreendente, ambos estão certos. Isto é, os formalistas são absolutamente corretos no seu compromisso em caracterizar forma independente do significado e função. Mas, ao mesmo tempo, funcionalistas estão certos quando afirmam que o significado e função podem ajudar a modelagem/figura da forma. Como veremos, não há contradição aqui, quaisquer que sejam as crenças de Sandy (Forman) e Chris (Funk).

Não há dúvida que muitos leitores estão conscientes: eu tenho uma reputação como ardente defensor da lingüística formal (olhe por exemplo, Newmeyer 1983, 1986b). Em certo sentido, este ardor não diminuiu nem um pouco. Meu comprometimento com a “empresa gerativa” (Chomsky 1982b) está tão firme como jamais foi. Na verdade, essas páginas adicionarão à minha (já substancial a granel, se não na persuasão) escritos em defesa desta empresa. Mas nos últimos anos eu também me convenci de que há em última análise uma estreiteza de visão autodestrutiva por parte de muitos gramáticos gerativos. Simplificando, eles se recusam a considerar a possibilidade de que algo de interesse poderia ter sido descoberto no percurso de investigação/pesquisa orientada pelo funcionalismo. Definitivamente esta não é a minha crença, não é algo em que acredito. Ao contrário, encontrei generalizações interessantes e enriquecedoras, caminhos sugestivos de pesquisa no trabalho realizado nessa tradição. E significativamente, acredito que demorarei a incorporar muitas destas generalizações em uma teoria da linguagem global compreensível, desafiando importantes concepções defendidas pela maior parte/mainstream/principais lingüistas formais. Lidar com tais generalizações envolve crucialmente tempo, e isto pode ser conseguido/alcançado sem abandonar o núcleo essencial da teoria gerativa, para dizer o mínimo, ampliar a visão sobre o que acontece na linguagem e a melhor forma de lidar com isto.

Devo salientar que não é o propósito deste livro revelar uma nova teoria da linguagem, ou mesmo a apresentar uma ‘nova síntese’ que une as teorias previamente esboçadas. Muito pelo contrário: de fato serei argumentando, capítulo após capítulo, a que abordagem gramática “Chomskyana”, em sentido lato, é fundamentalmente no caminho certo. Tenho esperanças em alcançar este objetivo, no entanto, não demonstrando a superioridade de um quadro formal sobre os seus rivais formalistas ou funcionalistas. Mais, tentarei demostrar que os princípios básicos da gramática gerativa em interação com os princípios de outros domínios no trabalho da linguagem, prestar contas convincentes de fenômenos que os funcionalistas, em geral, têm refutado a abordagem gerativista. Isso inclui fenômenos como efeitos prototípicos, gramaticalização, o ‘aterramento’ da estrutura na pressão externa da educação formal e assim por diante – fenômenos que poucos gerativistas tinham, e que mesmo no passado, não foi julgado digno de consideração.

Uso o termo ‘lingüística formal’ e “lingüística funcional”como se tivessem um único e bem compreendido referente. Infelizmente, eles não possuem. Antes de prosseguir, será necessário esclarecer o espectro das posições identificadas com estes termos.

6. Um olhar adiante

Cada capítulo focalizará em determinado aspecto da relação entre forma e função da linguagem, e portanto em cada uma das questões que dividem gerativistas e funcionalistas.

Capítulo 2, “Os Limites da Gramática”, toma a questão da “compartimentalização da forma” que está no centro do debate. Estabelecem-se três diferentes teses de “autonomia”, como segue:

(1)   A autonomia da sintaxe (AUTOSYN). Cognição humana incorpora um sistema cujos termos primitivos são elementos sintáticos não-semânticos e não-discurso derivados e cujos princípios de combinação não fazem qualquer referência ao sistema-externo de fatores.

(2) A autonomia do conhecimento da língua em relação ao uso de língua (AUTOKNOW). Conhecimento da linguagem (“competência”) pode e deve ser caracterizada de forma independente do uso da língua (‘performance’) e os fatores sociais, cognitivos e comunicativos que contribuem para o uso.

(3) A autonomia da gramática como um sistema cognitivo (AUTOGRAM). Cognição humana incorpora um sistema cujos termos primitivos são elementos estruturais particulares à linguagem e cujos princípios de combinação não fazem qualquer referência ao sistema-externo de fatores.

Os atuais modelos gerativos adotam as três hipóteses de autonomia, enquanto funcionalistas ‘integrativos’/fundamentalistas os rejeitam. Funcionalistas ‘externos’ rejeitam AUTOSYN, mas (em sua maioria) parecem aceitar AUTOKNOW e AUTOGRAM. Argumentarei que todas as três hipóteses são motivadas/induzidas. Capítulo 2 também levanta  a questão do princípio gramatical inato, sugerindo que as conclusões de inatismo com base em argumentos clássicos ‘da pobreza de estímulo’ são problemáticos em vários aspectos. No entanto, achados recentes de que deficiências gramaticais específicas podem ser transmitidas geneticamente apontam para um componente inato da gramática, e, portanto, para a correção da AUTOGRAM.

Capítulo 3 ‘Explanação Interna e Externa na Lingüística” sonda o que significa dizer que temos “explanação” em alguns fenômenos gramaticais. Ele explora que a idéia popular de explanação na gramática gerativa é totalmente ‘interna’ e que quando funcionalistas optam por explanação “externa” é muito simplista. Entretanto, ambas orientações fazem uso dos dois modos de explanação. Discuto que não são apenas três hipóteses de autonomia compatíveis com as explanações (funcional) externas, mas que os aspectos centrais das gramáticas foram motivados funcionalmente. Identifico a pressão de análise e pressão para a estruturar e significar, alinhando icônicamente às duas influências funcionais centrais em gramáticas. Questiono, porém, se o discurso tem desempenhado um grande papel na modelagem da forma gramatical. Grande parte do capítulo é dedicado ao problema das “motivações concorrentes” – o fato de que forças externas conflitantes tomam lugar demandas em gramáticas. Defendo que a partir da estrutura resulta em um número de fatores externos na competição entre si, gramáticas não podem ser ligações de estruturas e de suas motivações externas. Mostrarei que as motivações concorrentes têm implicações igualmente profundas para a linguagem tipológica do programa funcionalista.

O quarto capítulo é intitulado “Nas Categorias Sintáticas”. A clássica visão de categorias sintáticas, e um dado adquirido por todos os  modelos gerativos, é que eles são  ‘entidades algébricas discretas’ , não se admitindo uma definição nocional/hipotética. A visão clássica divisou três desafios no campo funcionalista. Em um deles, as categorias são incorporados com um protótipo estrutural, no qual os membros “melhor caso” e membros que sistematicamente afastam-se do “melhor caso”. Nesta abordagem, a descrição gramatical ideal dos processos morfossintáticos é realizada para envolver referência ao desvio de grau categorial do “melhor caso”. O segundo desafio apresenta a hipótese de que as fronteiras entre as categorias são não-distintivas, no sentido de que um nivela para outro gradualmente. O terceiro possui categorias a serem definíveis por condições semânticas necessárias e suficientes . Capítulo 4 defende a visão clássica, argumentando que muitos dos fenômenos que parecem sugerir inadequação são melhor analisados ​​em termos da interação de princípios necessários de forma independente da sintaxe, semântica e pragmática. Em um apêndice, eu desafio a idéia de que construções gramaticais devem ser atribuídas um protótipo estrutural. Tento mostrar que quando os fatos são suficientemente investigados em detalhes, tal conclusão não se justifica.

Capítulo 5 é chamado de “Desconstruindo Gramaticalização’. O fenômeno de “gramaticalização” – grosso modo, a perda de independência de uma estrutura gramatical ou elemento – é alardeado por alguns funcionalistas como a questão-chave que mostra a superioridade da sua abordagem sobre o gerativismo. Concordo que muitos dos mecanismos envolvidos na gramaticalização – em particular certos tipos de semântica natural e mudanças fonéticas – não são fornecidos pela teoria gerativa. Mas nem
são incompatíveis com ela. Na verdade, eu concluo que gramaticalização é não mais que um termo de ‘capa’ para a interseção de  certos desenvolvimentos históricos comums, que qualquer teoria tem para explicar e, como tal, não tem especial relevância para o diálogo gerativistas-funcionalista.

Capítulo 6 é chamado, e assume: ‘Tipologia da Linguagem e suas Dificuldades “. Como podemos ter certeza de que as generalizações tipológicas que sempre formaram a explananda para a teoria funcionalista, e também cada vez mais para a teoria gerativista são fatos reais que precisam de explicação? Depois de reexaminar todas as dificuldades inerentes ao trabalho tipológico, concluo em uma nota “em algum lugar entre cauteloso otimismo e ceticismo relutante “. Algumas generalizações tipológicas parecem robustas o suficiente para que possamos considerá-las como justificáveis na teoria construtivista. Argumentarei que os funcionalistas subestimam a necessidade de uma análise formal  como um pré-requisito para análise tipológica, enquanto gerativistas, por uma ênfase retórica sobre parâmetros inatistas, se afastam da investigação de possíveis explicações funcionais para os padrões tipológicos. Ambas as situações são infelizes. Não há nada no programa de explanações funcionais dos fatos tipológicos que são incompatíveis com a existência de um sistema autônomo estrutural. E não há nada no programa gerativista que exija a todos os fatos tipológicos  serem atribuídos à definição de parâmetros inatamente especificados.

O capítulo final, Capítulo 7 é uma breve conclusão ressaltando os principais tema do livro: as três hipóteses de autonomia são totalmente compatíveis com a explicação funcional de fenômenos gramaticais.

Apresentação: Deborah Jotta, Aline Varela Rabello, Carla da Silva Marques Lima LANGUAGE FORM AND LANGUAGE FUNCTION Frederick J. Newmeyer

O autor possui trechos de alguns livros disponíveis: e para saber mais sobre o Professor Emeritus Frederick J. Newmeyer http://depts.washington.edu/lingweb/Faculty_Newmeyer.php

%d blogueiros gostam disto: