MOSTRA IMPRESSIONISMO DO MUSÉE D’ORSAY

Flávia Moura

Atualização! Em virtude das filas de mais de quatro horas em alguns períodos no último final de semana, o CCBB – Rio fará o último viradão nos dias 12 e 13 – das 9 horas do sábado às 21 horas no domingo – últimos da exposição. Veja os melhores horários durante a semana no post abaixo.

1) Trabalho para a disciplina de Introdução à Fotografia: os alunos devem visitar a exposição, pois ela se deu em virtude do surgimento do Daguerreótipo (precursor da fotografia). Então os pintores da época se sentiram ameaçados e quiseram mostrar que a arte da pintura não morreria!

painel ampliado - ponte sobre o Sena

painel ampliado – ponte sobre o Sena

A FILA

Dizer que brasileiro adora arte, eu nunca tinha ouvido falar.

Sim, já tinha ouvido falar de brasileiro que adora arte no exterior. Daqueles que se gabam porque visitou o Louvre, ou que deu uma passadinha no Moma, que se divertiu com as réplicas em cera no madame Tussauds, mas nunca, nunca, bem aqui no Rio de Janeiro, ouvi algum brasileiro que tenha se gabado por passar horas na fila para ver qualquer obra de arte que fosse. Até ontem.

Foram exaustivas 3 horas de fila, ouvindo conversa alheia, sentindo os perfumes do povo, gente perguntando quanto tempo ia durar, gente perguntando por que tinha que durar tanto tempo, gente fazendo careta pra onde ia o fim da fila e então, desistiam ou respiravam fundo e seguiam em frente firmes.

Não era de se surpreender. A foto à esquerda, mostra os fundos do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) que dá para a lateral da Casa França Brasil. Exatamente ali naquele bequinho era o fim da fila às 14:20h aproximadamente. Era a outra ponta do U e todos teríamos um longo caminho a percorrer. Eu mesma fiz careta e me surpreendi com o amor do brasileiro pela arte e felizmente, desconhecia o tempo em que ficaria de pé esperando minha vez de entrar.

Se soubesse, o que teria sido mais forte? Meu amor pela arte ou a dor nas pernas? Venceu o trabalho para a disciplina de Introdução à Fotografia.

Fila em horário de pico

Fila em horário de pico

ENTRANDO PELO CANO

Entrei pelo cano quando pela entrada da Candelária julguei não ter fila. Feliz, fotografei o painel que convida para a Mostra Impressionismo do Musée D’Orsay.

Gente posando, sorrindo, fazendo careta, trepando nas costas do outro, tudo porque o painel ampliado dava pruma ponte sobre o Sena e era ali, nas ruas imaginárias de paralelepípedo que os visitantes faziam sua pose.

Tive certa dificuldade para pegar o painel todo, tal o número de “posers” encostados (foto à direita).

PROIBIDO FOTOGRAFAR

É expressamente proibido fotografar lá dentro. Regra do Musée D’Orsay trazido para o Brasil. Lá na França também não pode tirar fotografias da exposição. Inevitável não é.

Brasileiro dado ao jeitinho, sempre dá um jeito de fazê-lo e eu quase inocentemente não resisti à tentação. Fui advertida pela segurança que me seguia em silêncio, para meu desespero. Felizmente ela não me forçou a apagar.

OS PINTORES

Visitei todos: Louis Welden Hawkins, Georges Garen, Claude Monet, Henri Ottmann, Paul Gauguin, Camille Pissarro, Stanislas Lépine, Henry Fantin-Latour, Pierre-Auguste Renoir, Alfred Stevens, Léon Bonnat, Gustave Coubert, Jean Béraud, Paul Cézanne, Charles Argrand, Henri de Toulouse-Lautrec, Edgar Degas, James Tissot, Boldini, Manet, Fernand Halphen e Sisley espalhados entre 85 obras.

Sabe-se que com o surgimento da Fotografia por meio do Daguerreótipo, esses pintores resolveram fazer um levante por meio da pintura, para mostrar que ela não morreria. Essa explosão de arte, foi chamada de Impressionismo, pois objetivava retratar luz, movimento, sombra e cenas realisticas da França do século XIX, muito embora tenha se extendido por outros cantos da Europa.

Estação Saint-Lazare, 1877

Estação Saint-Lazare, 1877

AS OBRAS

Infelizmente não pude fotografar todas as obras que me emocionaram. Monet é um mestre incontestável, não só pela riqueza de seu traço, mas por fugir do lugar comum. Na obra Os Carvoeiros ou Os Descarregadores de Carvão, 1875 – óleo sobre tela, ele mostra o Rio Sena não como um costumeiro ponto turístico, mas local de trabalho corriqueiro, enevoado e escuro.

Pissarro é outro que atrai o olhar do espectador, já que seus quadros parecem estar acesos, tão intensa é a riqueza de cores e detalhes. No quadro O Sena e o Louvre, 1901 – óleo sobre tela, ele vai contra o estilo que o consagrou, onde retratava o cotidiano no campo e mostra a vida urbana em Paris. Esse quadro é de uma luminosidade absurda. Já Stanislas Lépine, ao pintar Montmartre, rue Saint-Vincent, 1878, registra uma Montmartre ainda rural onde os detalhes cotidianos chamam a atenção. Desde os matizes de cores no céu, à tonalidade das folhas das árvores, às sombras e a luz rebatida no chão, bem como seus habitantes em momentos comuns.

Henri Fantin-Latour em A Família Dubourg, 1878 não consegue passsar despercebido dado a grandiosidade de sua tela e perfeição no traço. A família retratada era feia de fato, salvo a cunhada, mas o que impressiona além do tamanho, é a proximidade com a fotografia nessa tela. Até a cadeira de madeira onde o sogro aparece sentado é reproduzida com perfeição.

O banho -  the bath
“O Banho, 1867 – alfred stevens, óleo sobre tela.”

Alfred Stevens surpreende em O Banho, 1867 – óleo sobre tela. Não pelo tamanho da tela, mas pela minúcia. Trata-se de um quadro pequeno, mas se o espectador reter a atenção ali, notará a reprodução perfeita da banheira em que sua musa se esparrama, trabalhado em tons de cinza, o relógio na parede, a pulseira que reluz como ouro, o detalhe das páginas do livro sobre a cadeira, a bica em forma de cisne que pinga água e parece real. Tudo isso faz desta obra algo inigualável e das minhas preferidas apesar de não pertencer aos principais nomes da pintura.

RÉPLICAS & CURIOSIDADES: Paul Cézanne, Léon Bonnat e Stanislas Lépine

Chegando em casa, lembrei-me que sobre a cabeceira da cama, tenho a réplica de um Cézanne, autorizada pelo Museu do Louvre – Os Jogadores de Cartas, 1890-1892.

O Autorretrato, 1855 de Léon Bonnat me deixou tão encantada que quase me apaixonei por ele, não fosse o fato de eu ser casada e pertencer a outro século.

Montmartre, rue Saint-Vincent, 1878 quando o famoso bairro ainda era rural. Contraste de luz e sombra, variação da luz rebatida no chão e tonalidade do verda das árvores, torna essa obra das minhas prediletas.

Noite ou O Baile, 1878 – James Tissot, óleo sobre tela

Luz, claridade, perfeição nos detalhes da entrada de um baile. As camadas dos vestidos fazem  um belíssimo movimento.

fonte internet

Me abstive de comentar sobre Monet, Renoir e outros grandes mestres, bem como os que inauguraram o estilo pontilhista, pois as telas destacadas neste trabalho foram as que mais me despertaram a atenção.

MAIS: por Glória Celeste (concurso, melhor horário para filas e viradão da virada)

Não deixe para a última hora! e escolha o melhor horário…

filasimprDesde o dia 18 de dezembro há um concurso:  o participante deverá postar uma foto sua, em frente a algum painel que está na rotunda criada pela brasileira Virgínia Fienga, arquiteta responsável pelo novo projeto do Museu d´Orsay; seguir o perfil da Exposição Impressionismo – Paris e a modernidade no Instagram(@ImpressionismoCCBB).

 A foto deverá ser tirada pelo instagram, e se já tiver sido postada anteriormente no INSTAGRAM, o participante deverá postar a hashtag #ImpressionistasNoBrasil e postar a foto novamente.

As três fotos mais criativas ganharão PRÊMIOS:  1º Um catalogo da mostra + 1 capinha de IPhone,  2º 1 capinha de IPhone,  3º Um kit de papelaria ( 1 caderno + 2 lápis + 1 marcador de livros)

viradao da virada

     Já falta menos de um mês para o fim da exposição Impressionismo – Paris e a    Modernidade –  termina no dia 13/01/2013. Não deixe para os últimos dias, pois costumam receber muito público. Lembrando que tem VIRADÃO DA VIRADA do dia 29 para 30/12, com show ao vivo e DJ. A cafeteria e a livraria do térreo ficarão abertas durante este Viradão. Edu Krieger é compositor de uma centena de músicas gravadas por artistas como Maria Rita, Ana Carolina, Maria Gadú, Roberta Sá, Teresa Cristina, Pedro Luís e a Parede, Casuarina, Ara Ketu e Falamansa, entre outros. DJ Janot  é criador da festa Brazooka, ano passado lançou pela gravadora Dubas seu terceiro CD, “O Som Brazooka do DJ Janot: 10 anos”. Abriu o show dos Rolling Stones e tocou no Live Earth, na Praia de Copacabana, e em eventos no exterior: como o Brazilian Day ( Nova York), Expo de Zaragoza e Carnaval de Lisboa.

   A mostra tem curadoria de Caroline Mathieu, conservadora-chefe do Museu d’Orsay, Guy Cogeval, presidente do Mu­seu d’Orsay, e Pablo Jiménez Burillo, diretor geral do Instituto de Cultu­ra da Fundación MAPFRE. Organizada com obras do Museu d’Orsay, conta com a colaboração científica da própria instituição e da Fun­dación MAPFRE.

A exposição também possui coordenação da Expomus, apoio do Ministério da Cultura, por intermédio da Lei de Incentivo a Cultura e Leia Rouanet, com patrocínio do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, do Banco do Brasil e da BBDTVM, e apoio da Cielo e da Brasilprev. A promoção é da Rede Globo.

Sobre fuiobrigada

Escrever dói e é compulsivo. Delirium, tremens.

Publicado em 24/12/2012, em Uncategorized e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: