Linha do tempo com os principais momentos e correntes teóricas da linguística histórica

Trabalho para a disciplina Lingüística IV

1)      Faça uma linha do tempo com os principais momentos e correntes teóricas que contribuíram (mesmo que indiretamente) para o desenvolvimento da linguística histórica e que são descritos e/ou citados no capítulo 5 de Faraco (2005: 128-174).

A linha do tempo será numerada cronologicamente, e a parte textual da linha do tempo toda é de trechos com autoria de Faraco (2005: 128-174) com adaptações mínimas.

Antecedentes:

Estudos lingüísticos dos sábios hindus já no século IV a.C.;(1) pelas discussões filosóficas dos gregos(2); pelos cuidados filológicos dos alexandrinos e pelas suas primeiras gramáticas da língua grega II a.C. (3) ; pelas gramáticas latinas (4); pelos filósofos modistas da Idade Média;(5) pela filologia árabe; pelas especulações renascentistas sobre a língua-mãe de todas as línguas; (6) pela gramática de Port-Royal, no século XVII. (7)

Primeiro Grande Período Nascimento – fins do século XVIII, início duma reflexão sistemática: 1786 até a publicação do manifesto dos neogramáticos em 1878 (período da formação e consolidação do método comparativo)

1786 – William Jones apresenta comunicação à Sociedade de Bengala, destacando inúmeras semelhanças entre o sânscrito, o latim e o grego. Escreveram-se, na seqüência várias gramáticas e um dicionário do sânscrito.

1795 – fundou-se em Paris, a escola de Estudos Orientais onde estudaram os intelectuais alemães Friedrich Schlegel (1772-1829), e em particular, Franz Bopp (1791-1867) – que desenvolveriam, em seguida, a chamada gramática comparativa.

 

indoeuropes

Criação do método comparativo

1808 – F. Schelegel publicou, seu texto Über die Sprache und die Weisheit der Inder [ Sobre a língua e a sabedoria dos hindus], que é considerado o ponto de partida dos estudos comparativistas na Alemanha. Nele, dentre outras coisas, o autor reforçou a tese de W. Jones sobre o parentesco do sânscrito, o germânico e o persa, parentesco este que se evidenciava não só na semelhança entre raízes lexicais, mas principalmente nas semelhanças entre as estruturas gramaticais.

1816 – Bopp publicou seu livro Über das Conjugationssystem der Sanskritsprache in vergleichung mit jenem der griechschen, latainishcen, persischen, und germanischen Sprache [Sobre o sistema de conjugação da língua sânscrita em comparação com o da língua grega, latina, persa, germânica]

1814/1818 – Rasmus Dask, paralelamente a Bopp e independentemente dele, desenvolveu também trabalhos comparativos importantes, envolvendo as línguas nórdicas, as demais línguas germânicas, o grego, o latim, o lituano, o eslavo e o armênio. Acredita-se que, em razão desse atraso e também pelo fato de ser um texto escrito em dinamarquês (língua pouco familiar nos meios científicos), o trabalho, embora metodologicamente exemplar, acabou tendo pouca repercussão na época.

1819/1822 – costuma-se dizer que o estudo propriamente histórico foi estabelecido por Jacob Grimm em seu livro Deutsche Grammatik – interpretou a existência de correspondências fonéticas sistemáticas entre as línguas como resultado de mutações no tempo.

Grimm mostrou que as consoantes do indo-europeu original /p/, /t/, /k/ haviam mudado, no ramo germânico dessa família, para /f/, /θ/, /h/ respectivamente. Observava-se, porém, a existência de várias exceções, para as quais não havia um tratamento uniforme.

Aliou-se, desse modo, o empreendimento comparativo ao histórico, donde vem a denominação que se costuma dar à lingüística do século XIX: gramática ou lingüística histórico-comparativa.

1836/1844 – toma-se o lingüista alemão Friedrich Diez como iniciador da chamada filologia (ou lingüística) românica. Ele publicou uma gramática histórico-comparativa das línguas românicas, e em 1854, um dicionário etimológico dessas línguas.

1833/1852 – Bopp estendeu seu trabalho comparativo para incluir o lituano, o eslavo, o armênio, o celta e o albanês, reunindo os resultados de suas unvestigações na sua abrangente Vergleichende Grammatik des Sanskrit, Zend, Griechischen, leteinischen, Litauischen, Gothischen und Deutschen [ Gramática comparativa do sânscrito, persa, grego, latim, lituano, gótico e alemão]

1861/1862 – Botânico de formação e influenciado pela obra de Darwin, Schleicher formulou uma concepção de língua como um organismo vivo, com existência própria fora de seus falantes, sendo sua história vista como uma “história natural”, isto é, como um fluxo que se realiza por força de princípios invariáveis e idênticos às leis da natureza. August Schleicher, além de propor uma tipologia das línguas e uma classificação genealógica ( Stammbautheorie – teoria da árvore genealógica) das línguas indo-européias, desenvolveu uma tentativa de reconstrução – a partir das características comuns das línguas indo-européias e de suas correspondentes sistemáticas – do que ele chamou no seu Compendium der Vergleichenden Grammatik der indogermanischen Sprachen [Compêndio de Gramática comparada das línguas indo-européias], de Ursprasche (“língua remota”), isto é, o estágio remoto (hoje em geral denominado de proto-indo-europeu), donde se originaram as línguas que constituem essa família.

1856/1857 – dentre outros trabalhos, destaca-se seu estudo do lituano (Handbuch der litauischen Sprache – Compêndio da língua lituana), cujo mérito maior é ter sido o primeiro estudo de uma língua indo-européia feito diretamente a partir da fala e não de textos, o que representou um passo importante nos estudos lingüísticos. Para realizar isso, Schleicher morou durante um tempo entre os camponeses da Lituânia.

1870 – neogramáticos mais adiante reiteraram o princípio – já defendido por alguns estudiosos dessa década, em especial August Leskien – de que as mudanças sonoras se davam num processo de regularidade absoluta, isto é, as mudanças afetavam a mesma unidade fônica em todas as suas ocorrências, no mesmo ambiente, em todas as palavras, não admitindo exceções.

1875 – O lingüista dinamarquês Karl Verner, estudando a mutação das consoantes no ramo germânico das línguas indo-européias, demonstrou que as exceções da chamada lei de Grimm, que haviam incomodado os germanistas por cinqüenta anos, eram apenas aparentes.

Verner, em um artigo, mostrou que o enunciado de Grimm era válido somente quando essas consoantes não ocorriam depois de sílabas fracas, no primitivo indo-europeu. Nesse caso, /p/, /t/, /k/ haviam mudado para /b/, /d/, /g/  respectivamente.

Com essa formulação – que ficou conhecida como a lei de Verner e que introduzia o ambiente lingüístico das unidades como condicionante de suas diferentes mudanças (no caso específico, a ocorrência do som depois de sílaba fraca ou não) -, aparentes exceções da lei de Grimm receberam um tratamento regular, o que reforçou a confiança dos lingüistas no princípio da regularidade da mudança e inspirou a hipótese teórica básica dos neogramáticos de que a regularidade da mudança sonora era absoluta.

 

Resumos de capítulo – Lingüística Histórica

LIvro de Carlos Alberto Faraco

LIvro de Carlos Alberto Faraco

Trabalho para a disciplina Lingüística IV

2)      Indique os principais pontos do capítulo 4 de Faraco (2005: 91-127), em redação não esquemática.

No capítulo chamado “A lingüística histórica é uma disciplina científica”, fala-se das ocupações do pesquisador de lingüística histórica: transformação das línguas em determinados tempos, e as teorias, métodos e ferramentas utilizadas nas análises.

Faraco inicia destacando a importância da observação mediada por determinados pressupostos teóricos, mesmo que caracterizada pela diversidade e embates entre pontos de vista diversos.

O autor descreve que antes de Saussure, estudos “nos século XVII e XVIII abordavam a língua como uma realidade estável, atemporal e organizada segundo princípios da lógica” p.95 – universais e não históricos; já no século XIX a língua era vista como necessariamente histórica. O autor genebrino estabelece duas dimensões: uma histórica (diacrônica) e outra estática (sincrônica). Faraco afirma ainda que Saussure defendia a autonomia entre ambos, não negando a interdependência – apesar de ter sido estabelecida uma rigorosa distinção metodológica..

Faraco apresenta uma análise clássica do lingüista Mattoso sobre a divisão morfológica sincrônica do verbo “comer”, ou “estrela”: seria absurdo propor uma divisão em mantendo a estrutura morfológica do verbo em latim para análise sincrônica, do estágio atual da língua, por exemplo.

O autor fala da precedência da sincronia, e critica alguns lingüistas por ignorarem a questão histórica, o que revela uma “espécie de retorno às concepções universalizantes e logicizantes dos séculos XVII e XVIII” (p. 100). Apresenta crítico Coseriu que propõe que se veja a língua em moviemento (Saussure tem uma visão estática) e os lingüistas Weinenrich, Labov e Herzog que defendem a construção de um modelo de língua capaz de acomodar sistematicamente a heterogeneidade sincrônica.

Faraco distingue duas concepções de linguagem: a que considera a língua um objeto autônomo; outra como um objeto intrinsecamente ligado à realidade histórica, cultural e social da comunidade falante. Também cita os métodos diferenciados e as visões que direcionarão uma orientação teórica da mudança lingüística. Fala ao pesquisador iniciante da importância de selecionar a sua orientação teórica, e para quem quer optar pelo ecletismo que para Faraco é um “amontoado acrítico, e por isso ingênuo de teorias”.

A seguir, são apresentadas a Teoria Variacionista e a Teoria Gerativista. Ele apresenta as características de cada uma delas e também relata uma tentativa de aproximação entre ambas, a chamada ‘Sociolinguística Paramétrica’, sendo que um dos primeiros a implementá-la foi Fernando Tarallo.

Discute e explica conceitos explicação, e seu significado peculiar nesta área: “interpretar as mudanças e explicitar arrolar fatores contigenciais”p. 117

Faraco ainda apresenta as três diferentes vias para o estudo histórico das línguas: “voltar ao passado e nele se concentrar, voltar ao passado para iluminar o presente, estudar o presente para iluminar o passado” (p. 118).

Respectivamente os neogramáticos para o primeiro, e a análise variacionista para o último, e apresenta exemplos do método comparativo: português trecentista, o trabalho de classificação das línguas indígenas e estudo dos seus dialetos, além de outras contribuições filológicas.

Na terceira via “estudar o presente para iluminar o passado” está o princípio da uniformidade, isto é, “as comunidades humanas, embora diferentes em cada situação conjuntural, partilham no presente e passado de certas propriedades recorrentes” p. 123. O autor ressalva ainda que as três vias não se anulam. Sobre a qualidade de alguns dados cita-se Labov: “A lingüística histórica pode, então, ser pensada como a arte de fazer o melhor uso de dados ruins”.

Ao finalizar o capítulo, fala sobre o método comparativo e resultados positivos confirmados empiricamente por registros dialetológicos posteriores “pressupõe uma certa quantidade de dados, e principalmente, a localização de relações sistemáticas entre eles” p. 126. E a seguir um quadro comparativo que mostra a diferenciação no consonantismo das línguas germânicas: inglês, latim, alemão.

3)      Faça um breve resumo do capítulo 5 de Faraco (2005: 128-174).

Na introdução do capítulo chamado “História da nossa disciplina”, Carlos Alberto Faraco afirma que delineará um panorama que não será apenas um relato da história, mas a interpretação mediada dos acontecimentos da disciplina lingüística histórica: momentos, autores e obras importantes. Costuma-se dividir a lingüística histórica em dois grandes períodos: o primeiro, de 1786 a 1878 (período da formação e consolidação do método comparativo), e o segundo, que vem de 1878 (ano da publicação do manifesto dos neogramáticos) até os dias atuais do século XXI.

E no segundo período sinaliza que haverá contínua tensão: idas, vindas, retomadas, (re)negociações e (re)avaliações entre duas linhas predominantes: “uma mais imanentista, que – continuadora, de certa forma, do pensamento neogramático e caudatária do estruturalismo e, depois, do gerativismo – vê a mudança como um fato primordialmente interno, isto é, como um acontecimento que se dá no interior da língua e condicionado por fatores da própria língua. A outra, mais integrativa, que – enraizada nos primeiros críticos dos neogramáticos e fundada nos estudos de dialetologia e, depois, de sociolingüística – entende que a mudança deve ser vista como articulada com o contexto social em que se inserem os falantes, isto é, como um evento condicionado por uma conjunção de fatores internos (estruturais) e externos (sociais)”.  p. 129

O autor também alerta para o fato da lingüística ter nascido nas preocupações e percepções filológicas de várias sociedades e enumera alguns antecedentes: hindus já no século IV a.C.; gregos, alexandrinos, romanos, árabes; pela gramática de Port-Royal, no século XVII, dentre outros.

Nos primeiros momentos descreve o interesse dos intelectuais europeus no estudo de línguas de civilizações antigas; as primeiras observações das semelhanças e comparações entre sânscrito, latim e grego; fundação da Escola de Estudos Orientais em Paris (onde estudaram os intelectuais Friedrich Schlegel e Franz Bopp, que desenvolveriam a gramática comparativa). Nesta primeira fase observa-se que grande parte dos pesquisadores apresentados pelo autor eram alemães.

Schlegel e Bopp reforçam a tese do pioneiro W. Jones, e ampliam pesquisas sobre o parentesco do sânscrito com o latim, grego, germânico, lituano, eslavo, armênio, celta, albanês, gótico, alemão e o persa no léxico e estruturas gramaticais, morfologia, correspondências sistemáticas. O autor cita ainda os estudos comparativos do lingüista Rasmus Rask que paralelamente e independentemente desenvolveu trabalhos comparativos relevantes com línguas nórdicas e metodologicamente exemplares, mas por ter sido publicado em dinamarquês teve pouca repercussão nos meios científicos.

A seguir cita Jacob Grimm – costuma-se dizer que o estudo propriamente histórico foi estabelecido pela publicação do livro Deutsche Grammatik – que identificou a existência de correspondências fonéticas sistemáticas entre o indo-europeu e línguas do ramo germânico com no passar do tempo. “Aliou-se, desse modo, o empreendimento comparativo ao histórico, donde vem a denominação que se costuma dar à lingüística do século XIX: gramática ou lingüística histórico-comparativa.” p.135

As chamadas “Leis de Grimm” apresentavam porém, várias exceções que incomodaram os germanistas por algum tempo ainda. Faraco comenta o trabalho do iniciador Fridrich Diez  na Filologia Românica, e sua importância no refinamento metodológico dos estudos históricos; e apresenta Schleicher que além de sugerir uma tipologia (Stammbautheorie) das línguas a partir da sua formação (botânico) e cunhar o termo Ursprasche (“língua remota”), hoje denominado proto-indo-europeu, foi o primeiro a realizar estudo de uma língua indo-européia a partir da fala.

A partir da publicação do manifesto neogramático – lingüistas relacionados com a Universidade de Leipzig – o escritor Faraco os compara a um divisor de águas na lingüística histórica ao criticar os antecessores e estabelecer orientação metodológica diferente e mais rigorosa; e um conjunto de postulados teóricos para interpretação das mudanças lingüísticas.

Os neogramáticos eram defensores de que as mudanças sonoras se davam num processo de regularidade absoluta e não admitiam exceções, o que o dinamarquês Karl Verner embasou quando demonstrou que nas exceções do enunciado de Grimm havia mudanças regulares, e que ocorriam de acordo com o contexto lingüístico. Apesar desta guinada metodológica rigorosa, os neogramáticos se utilizavam de analogia, que, para eles, estava no plano gramatical, e não fonético.

Um grande neogramático foi Hermann Paul, que foi referência na formação de muitos diacronistas vindouros, e apresentou uma tese bastante aceita até os dias de hoje: que a mudança lingüística é originada principalmente no processo de aquisição da língua. Faraco também apresenta o trabalho etimológico de Lübke e um dos mais importantes críticos ao movimento neogramatico: Hugo Schuchardt – um dos primeiros estudiosos a dar atenção sistemática aos pidgins e criolos -, que chamou atenção para a gama de variedades de fala existente em uma comunidade qualquer, e abriu caminho para o estudo da influência dos fatores como sexo, idade, do falante – dialetologia, e mais recentemente a sociolingüística.

Faraco apresenta do início do estruturalismo – marco da lingüística moderna – com Saussure. Seu aluno francês Antoine Meillet, que por sua vez desenvolve uma concepção mais sociológica do falante e da língua, afirma também que a lingüística faria parte da Antropologia. Estudos e análises na área que levam em conta a história das línguas e da maneira que os falantes a utilizam no contexto social de dialetologia, sociolingüística como fator de diferenciação: Labov.

O professor Faraco apresenta o Círculo de Praga, e outros teóricos estruturalistas, o impacto dessa visão teórica no estudo da mudança e análise do sistema lingüístico e continua criticando o que chama de abordagem “reducionista” pelos estruturalistas.

“O pensamento gerativista em diacronia se identifica, portanto, plenamente com a tradição forte em lingüística de considerar as mudanças como direcionadas por forças internas à língua. Retoma-se, assim, a perspectiva estruturalista: Jakobson afirmava que as leis estruturais do sistema restringem o inventário das transições possíveis dum estado sincrônico a outro (cf. Jakobson 1957, reproduzido em Jakobson, 1963, p. 77); Martinet falava nas mudanças como submetidas aos princípios da economia da língua (1955); os gerativistas falam nas mudanças como submetidas aos princípios restritivos da gramática universal. A diferença é a hipótese inatista (o biologismo) destes que não estava naqueles.” p 169.

O autor a seguir fala do “estruturalismo de roupa nova”, isto é, o gerativismo. O gerativismo inatista, e procurava um modelo a partir de um sistema de regras proposto; que se reformulou na década de 1970: “introduziu a idéia de que a gramática universal é um conjunto de parâmetros variáveis, isto é, ela restringe as gramáticas possíveis, mas admite caminhos alternativos.”p.167

Finalmente, o autor Faraco apresenta repercussões nos estudos diacrônicos da perspectiva gerativista, e mostra a partir de Schlegel no século XIX, Schleicher, Sapir estudos de diacronia dos estudos tipológicos, que chega ao pensamento de Greenberg, justificando esta aproximação pois estas  perspectivas “pautam sua interpretação da mudança por critérios fundamentalmente imanentes” p. 175, excluindo da história das línguas e os falantes e seu contexto histórico-social.

William de Moura – vídeo sobre o fotógrafo carioca

Flávia Moura
Nilson Guimarães
Márcio Santos
Um trabalho em forma de vídeo foi elaborado para a disciplina de Introdução à Fotografia pelo grupo. Obedecendo uma lista proposta em temas, a tarefa consistiu em pesquisar a vida de um fotógrafo.
Flávia Moura comentou que seu pai  exerceu esta profissão por muito tempo,  e recebeu sugestão da professora que desenvolvessem  sobre o trabalho de William: descobrir no que ele foi relevante para a história da fotografia e culminar com a releitura de imagens.
William de Moura e o Rio de Janeiro

William de Moura e o Rio de Janeiro

William de Moura é carioca, e mostrou pioneirismo ao desenvolver ensaios fotográficos em grandes revistas de surf (sua paixão). Mas não deixou de cobrir celebridades, gastronomia, futebol, basquete, cotidiano urbano, música, natureza,  esportes radicais… além de atuar também como editor de imagens e produzir peças publicitárias para  jornais e revistas.  E, claro que esta competência e sensibilidade teve muitas repercussões internacionais! São temas dos mais variados: veja algumas imagens na página da Agência O Globo, um dos veículos de comunicação onde atuou.

MOSTRA IMPRESSIONISMO DO MUSÉE D’ORSAY

Flávia Moura

Atualização! Em virtude das filas de mais de quatro horas em alguns períodos no último final de semana, o CCBB – Rio fará o último viradão nos dias 12 e 13 – das 9 horas do sábado às 21 horas no domingo – últimos da exposição. Veja os melhores horários durante a semana no post abaixo.

1) Trabalho para a disciplina de Introdução à Fotografia: os alunos devem visitar a exposição, pois ela se deu em virtude do surgimento do Daguerreótipo (precursor da fotografia). Então os pintores da época se sentiram ameaçados e quiseram mostrar que a arte da pintura não morreria!

painel ampliado - ponte sobre o Sena

painel ampliado – ponte sobre o Sena

A FILA

Dizer que brasileiro adora arte, eu nunca tinha ouvido falar.

Sim, já tinha ouvido falar de brasileiro que adora arte no exterior. Daqueles que se gabam porque visitou o Louvre, ou que deu uma passadinha no Moma, que se divertiu com as réplicas em cera no madame Tussauds, mas nunca, nunca, bem aqui no Rio de Janeiro, ouvi algum brasileiro que tenha se gabado por passar horas na fila para ver qualquer obra de arte que fosse. Até ontem.

Foram exaustivas 3 horas de fila, ouvindo conversa alheia, sentindo os perfumes do povo, gente perguntando quanto tempo ia durar, gente perguntando por que tinha que durar tanto tempo, gente fazendo careta pra onde ia o fim da fila e então, desistiam ou respiravam fundo e seguiam em frente firmes.

Não era de se surpreender. A foto à esquerda, mostra os fundos do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) que dá para a lateral da Casa França Brasil. Exatamente ali naquele bequinho era o fim da fila às 14:20h aproximadamente. Era a outra ponta do U e todos teríamos um longo caminho a percorrer. Eu mesma fiz careta e me surpreendi com o amor do brasileiro pela arte e felizmente, desconhecia o tempo em que ficaria de pé esperando minha vez de entrar.

Se soubesse, o que teria sido mais forte? Meu amor pela arte ou a dor nas pernas? Venceu o trabalho para a disciplina de Introdução à Fotografia.

Fila em horário de pico

Fila em horário de pico

ENTRANDO PELO CANO

Entrei pelo cano quando pela entrada da Candelária julguei não ter fila. Feliz, fotografei o painel que convida para a Mostra Impressionismo do Musée D’Orsay.

Gente posando, sorrindo, fazendo careta, trepando nas costas do outro, tudo porque o painel ampliado dava pruma ponte sobre o Sena e era ali, nas ruas imaginárias de paralelepípedo que os visitantes faziam sua pose.

Tive certa dificuldade para pegar o painel todo, tal o número de “posers” encostados (foto à direita).

PROIBIDO FOTOGRAFAR

É expressamente proibido fotografar lá dentro. Regra do Musée D’Orsay trazido para o Brasil. Lá na França também não pode tirar fotografias da exposição. Inevitável não é.

Brasileiro dado ao jeitinho, sempre dá um jeito de fazê-lo e eu quase inocentemente não resisti à tentação. Fui advertida pela segurança que me seguia em silêncio, para meu desespero. Felizmente ela não me forçou a apagar.

OS PINTORES

Visitei todos: Louis Welden Hawkins, Georges Garen, Claude Monet, Henri Ottmann, Paul Gauguin, Camille Pissarro, Stanislas Lépine, Henry Fantin-Latour, Pierre-Auguste Renoir, Alfred Stevens, Léon Bonnat, Gustave Coubert, Jean Béraud, Paul Cézanne, Charles Argrand, Henri de Toulouse-Lautrec, Edgar Degas, James Tissot, Boldini, Manet, Fernand Halphen e Sisley espalhados entre 85 obras.

Sabe-se que com o surgimento da Fotografia por meio do Daguerreótipo, esses pintores resolveram fazer um levante por meio da pintura, para mostrar que ela não morreria. Essa explosão de arte, foi chamada de Impressionismo, pois objetivava retratar luz, movimento, sombra e cenas realisticas da França do século XIX, muito embora tenha se extendido por outros cantos da Europa.

Estação Saint-Lazare, 1877

Estação Saint-Lazare, 1877

AS OBRAS

Infelizmente não pude fotografar todas as obras que me emocionaram. Monet é um mestre incontestável, não só pela riqueza de seu traço, mas por fugir do lugar comum. Na obra Os Carvoeiros ou Os Descarregadores de Carvão, 1875 – óleo sobre tela, ele mostra o Rio Sena não como um costumeiro ponto turístico, mas local de trabalho corriqueiro, enevoado e escuro.

Pissarro é outro que atrai o olhar do espectador, já que seus quadros parecem estar acesos, tão intensa é a riqueza de cores e detalhes. No quadro O Sena e o Louvre, 1901 – óleo sobre tela, ele vai contra o estilo que o consagrou, onde retratava o cotidiano no campo e mostra a vida urbana em Paris. Esse quadro é de uma luminosidade absurda. Já Stanislas Lépine, ao pintar Montmartre, rue Saint-Vincent, 1878, registra uma Montmartre ainda rural onde os detalhes cotidianos chamam a atenção. Desde os matizes de cores no céu, à tonalidade das folhas das árvores, às sombras e a luz rebatida no chão, bem como seus habitantes em momentos comuns.

Henri Fantin-Latour em A Família Dubourg, 1878 não consegue passsar despercebido dado a grandiosidade de sua tela e perfeição no traço. A família retratada era feia de fato, salvo a cunhada, mas o que impressiona além do tamanho, é a proximidade com a fotografia nessa tela. Até a cadeira de madeira onde o sogro aparece sentado é reproduzida com perfeição.

O banho -  the bath
“O Banho, 1867 – alfred stevens, óleo sobre tela.”

Alfred Stevens surpreende em O Banho, 1867 – óleo sobre tela. Não pelo tamanho da tela, mas pela minúcia. Trata-se de um quadro pequeno, mas se o espectador reter a atenção ali, notará a reprodução perfeita da banheira em que sua musa se esparrama, trabalhado em tons de cinza, o relógio na parede, a pulseira que reluz como ouro, o detalhe das páginas do livro sobre a cadeira, a bica em forma de cisne que pinga água e parece real. Tudo isso faz desta obra algo inigualável e das minhas preferidas apesar de não pertencer aos principais nomes da pintura.

RÉPLICAS & CURIOSIDADES: Paul Cézanne, Léon Bonnat e Stanislas Lépine

Chegando em casa, lembrei-me que sobre a cabeceira da cama, tenho a réplica de um Cézanne, autorizada pelo Museu do Louvre – Os Jogadores de Cartas, 1890-1892.

O Autorretrato, 1855 de Léon Bonnat me deixou tão encantada que quase me apaixonei por ele, não fosse o fato de eu ser casada e pertencer a outro século.

Montmartre, rue Saint-Vincent, 1878 quando o famoso bairro ainda era rural. Contraste de luz e sombra, variação da luz rebatida no chão e tonalidade do verda das árvores, torna essa obra das minhas prediletas.

Noite ou O Baile, 1878 – James Tissot, óleo sobre tela

Luz, claridade, perfeição nos detalhes da entrada de um baile. As camadas dos vestidos fazem  um belíssimo movimento.

fonte internet

Me abstive de comentar sobre Monet, Renoir e outros grandes mestres, bem como os que inauguraram o estilo pontilhista, pois as telas destacadas neste trabalho foram as que mais me despertaram a atenção.

MAIS: por Glória Celeste (concurso, melhor horário para filas e viradão da virada)

Não deixe para a última hora! e escolha o melhor horário…

filasimprDesde o dia 18 de dezembro há um concurso:  o participante deverá postar uma foto sua, em frente a algum painel que está na rotunda criada pela brasileira Virgínia Fienga, arquiteta responsável pelo novo projeto do Museu d´Orsay; seguir o perfil da Exposição Impressionismo – Paris e a modernidade no Instagram(@ImpressionismoCCBB).

 A foto deverá ser tirada pelo instagram, e se já tiver sido postada anteriormente no INSTAGRAM, o participante deverá postar a hashtag #ImpressionistasNoBrasil e postar a foto novamente.

As três fotos mais criativas ganharão PRÊMIOS:  1º Um catalogo da mostra + 1 capinha de IPhone,  2º 1 capinha de IPhone,  3º Um kit de papelaria ( 1 caderno + 2 lápis + 1 marcador de livros)

viradao da virada

     Já falta menos de um mês para o fim da exposição Impressionismo – Paris e a    Modernidade –  termina no dia 13/01/2013. Não deixe para os últimos dias, pois costumam receber muito público. Lembrando que tem VIRADÃO DA VIRADA do dia 29 para 30/12, com show ao vivo e DJ. A cafeteria e a livraria do térreo ficarão abertas durante este Viradão. Edu Krieger é compositor de uma centena de músicas gravadas por artistas como Maria Rita, Ana Carolina, Maria Gadú, Roberta Sá, Teresa Cristina, Pedro Luís e a Parede, Casuarina, Ara Ketu e Falamansa, entre outros. DJ Janot  é criador da festa Brazooka, ano passado lançou pela gravadora Dubas seu terceiro CD, “O Som Brazooka do DJ Janot: 10 anos”. Abriu o show dos Rolling Stones e tocou no Live Earth, na Praia de Copacabana, e em eventos no exterior: como o Brazilian Day ( Nova York), Expo de Zaragoza e Carnaval de Lisboa.

   A mostra tem curadoria de Caroline Mathieu, conservadora-chefe do Museu d’Orsay, Guy Cogeval, presidente do Mu­seu d’Orsay, e Pablo Jiménez Burillo, diretor geral do Instituto de Cultu­ra da Fundación MAPFRE. Organizada com obras do Museu d’Orsay, conta com a colaboração científica da própria instituição e da Fun­dación MAPFRE.

A exposição também possui coordenação da Expomus, apoio do Ministério da Cultura, por intermédio da Lei de Incentivo a Cultura e Leia Rouanet, com patrocínio do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, do Banco do Brasil e da BBDTVM, e apoio da Cielo e da Brasilprev. A promoção é da Rede Globo.

%d blogueiros gostam disto: